Como não cair em golpes na Black Friday

Todo cuidado é pouco para fugir das fraudes na Black Friday, e não apenas na hora de pagar as compras, mas também ao acessar as lojas virtuais. Falsos sites são criados pra aplicar golpes nos consumidores, e se você acessar um deles corre o risco de pagar e não receber o produto ou ter o seu computador contaminado por vírus que peguem os seus dados.

Lei também:

Golpes pelo WhatsApp: saiba se defender

Este não é o momento de fazer novas dívidas!

Compras online durante a quarentena: cuidados a tomar

Portanto, atenção redobrada com qualquer promoção que receber contendo links. Tem sido comum em todos os anos, criminosos aproveitarem a Black Friday para aplicar golpes nos consumidores chamando a atenção com promoções e preços muito atrativos.

Então, leia com atenção as dicas do Boa Vista Consumidor Positivo para não ser mais uma vítima!

Conhecendo os sites falsos

Evite sair clicando em links que recebeu por e-mail, SMS, WhatsApp, Instagram, e-mail ou qualquer outro canal. Opte por digitar na URL do seu computador ou do seu celular www.nomedosite.com.br.

Entretanto, se por algum deslize você clicar no link recebido, antes de efetuar a compra verifique se a URL não tem letras de outros alfabetos, números ou palavras que façam alusão à marca oficial. De acordo com especialistas em segurança cibernéticas, os criminosos usam esse artíficio pra enganar consumidores.

Os sites oficiais têm apenas o nome da empresa.

Consulte a empresa

Há inúmeros locais nos quais você pode consultar se a empresa é correta, como o “Evite estes Sites”, lista preparada pelos Procons com o nome das lojas virtuais que dão golpes no consumidor.

Da mesma forma, você pode consultar as listas de reclamações dos Procons e a plataforma www.consumidor.gov.br para conhecer o comportamento da empresa diante de reclamação de consumidores. Se lá mostrar que a loja não tem solucionado as reclamações dos clientes, talvez seja melhor comprar em outro lugar.

Maquiagem de preços

Com o intuito de chamar a atenção do consumidor, algumas lojas dão aquela ‘maquiada’ nos preços.

Na página principal do e-commerce colocam um preço e, quando o produto vai para o carrinho, o preço é bem maior.

A fim de não cair neste golpe, confira atenciosamente o preço do produto quando ele já estiver no carrinho.

Se possível, tire um print de todas as páginas que você visitar do produto com o preço.

Formas de pagamento

Ainda que você já tenha decidido como irá pagar as compras, verifique as opções que a loja oferece.

Desconfie se houver poucas opções. Muitos golpistas geralmente só aceitam pagamentos via boleto bancário, por exemplo.

Mesmo que você decida fazer pagamento por boleto, para não cair no golpe do boleto falso desconfie se o cedente for uma pessoa física e não a uma empresa.

Ao mesmo tempo, desconfie se o único meio de pagamento disponível é o depósito em conta. Uma vez que você faz a transferência, pode ser que nunca mais veja seu dinheiro, nem mesmo o produto. Todo cuidado é pouco!

Produtos fora de linha

Pode ocorrer de uma loja oferecer a preços interessantes produtos que já não são mais fabricados, mas que elas ainda têm em estoque.

Pense bem antes de comprá-los. Caso tenha problemas após o fim da garantia, você pode ter dificuldade em encontrar peças de reposição para o conserto, uma vez que, normalmente, as empresas só mantêm peças de reposição por cinco anos após encerrada a produção. Então, se por exemplo, o item já foi produzido há um ano, você terá só quatro anos para encontrar peças de reposição.

Segurança

Ao definir em qual loja virtual vai comprar, verifique no site dela se há política de segurança. Olhe principalmente se o endereço começa com https (tem de ter o “s”), se há um cadeado verde (indica que o site tem criptografia), se tem certificados digitais e se o site blindado.

Da mesma forma, se o site informa o número do telefone, e-mail do SAC e se consta a política de devolução e troca no site.

Certifique-se, ainda, se a loja informa CNPJ, endereço físico e telefone, com canais de atendimento ao cliente.

Com toda certeza, para uma compra mais segura, pesquise o registro da loja no site da Receita Federal, com atenção para a data de abertura da empresa, a descrição de suas atividades e sua situação cadastral (deve ser “ativa”). Se estiver escrito “baixada”, “cancelada” ou “inativa”, desista da compra.

Atenção aos seus dados

Por fim, tenha muito cuidado ao fornecer seus dados. Se alguma loja virtual pedir informações que você considere excessivas para comprar um produto (filiação, renda, etnia, entre outras), corre que muito provavelmente é cilada!

A LGPD só autoriza a coleta de dados que tem a ver com a finalidade do que se está fazendo. Ninguém precisa saber a sua etnia para te vender algo, por exemplo.

Evite inserir os seus dados quando usar uma rede de Wi-Fi pública.

Mais

Comentários